quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Decoração: Especial Mesa de Natal

A ceia de Natal nos dá a oportunidade de ficar com a família e amigos, compartilhando bons momentos, celebrando mais um ciclo e renovando as expectativas. E é na mesa que essa reunião acontece. Por isso, decore de um jeito especial e autêntico. Confira agora algumas mesas decoradas de Natal:


     

Elegância em vermelho

A cor vermelha representa essa data e oferece força visual. Ela pode aparecer de forma equilibrada nos acessórios organizadores como os jogos americanos e caminhos de mesa. As taças e copos vermelhos também demonstram elegância. As peças decorativas como as guirlandas e os enfeites de cadeira proporcionam o encanto e a magia do Natal. 



Sofisticação e delicadeza 

Pratos brancos, toalha vermelha e taças criativas! A combinação alinhou delicadeza e sofisticação. Além disso, uma alternativa bastante original é usar sousplats de diferentes cores para diferenciar a disposição dos lugares. Tradicionalmente, o chefe da família se senta na ponta da mesa. Por isso, recebeu um sousplat vermelho, enquanto os demais são brancos.




Louças, tons e harmonia 

Louças estilizadas reforçam a atmosfera de celebração! Para não deixar a aparência muito carregada, utilize elementos mais sóbrios. 


Clean e refinado 

Tematizar com uma decoração clean também é possível! As louças com referências visuais foi desenvolvida com linhas suaves. O conceito de sobriedade se mantém na escolha de cada acessório, da toalha até as taças. Uma possibilidade bastante refinada!




Gostou? Curta e Comente!
Acesse nossa página no facebook: www.facebook.com/adespdecoracao/


quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Casa Cor Stars


Criado em 2008, pelo Grupo CASA COR, CASA COR STARS traz a cada edição grandes nomes do cenário nacional e internacional para debater tendências e apresentar suas criações inovadoras. 

Os profissionais brasileiros já tiveram a oportunidade de trocar experiências com a ícone da moda italiana, Rosita Missoni, o galês Ross Lovegrove, e os italianos, Simone Michelli, Marco Piva e Gaetano Pesce.


No primeiro semestre de 2012 contamos com a presença do Design e Arquiteto italiano Fabio Novembre. Já para este segundo semestre CASA COR SATARS apresenta o designer belga XAVIER LUST. Xavier nasceu em Bruges, na Bélgica, em 1969. Estudou design de interiores no Instituto Saint-Luc antes de abrir seu próprio estúdio em Bruxelas. 



"Esse é o nosso presente aos profissionais que fazem de CASA COR o segundo maior evento de arquitetura, decoração e paisagismo do mundo. Além disso, é uma excelente chance de conhecer de perto os maiores ícones do design e da arquitetura mundial", afirma Angelo Derenze, presidente do Grupo CASA COR. 

Em 2000, o designer começou a desenhar para MDF Itália, uma relação contínua que foi o início de sua colaboração com os principais produtores internacionais como Driade, Padova De, Itália Baleri e Extremis. Seu trabalho é claramente identificável através da tensão visível que dá aos seus objetos, e as curvas inspiradas por seu processo inovador de (de)formação de superfícies metálicas. 





Ele recebeu dezenas de prêmios, incluindo Compasso d'Oro. Seu trabalho já apareceu em mais de 50 exposições e é constante em publicações internacionais de design. Lust é regularmente convidado para palestras em instituições de arte e de design em todo o mundo. 

"Um aspecto maravilhoso do trabalho de Xavier é a ilusão de leveza e movimento", escreve o crítico russo Olga Bozhko. "Em seus projetos, ele consegue expressar o que parece impossível. É como se suas obras não fossem criadas, mas nascidas." 





Serviço:
Data: 13 de Dezembro de 2012 às 9h 

Local:
WTC Events Center | WTC Teatro - Piso C 
Av. das Nações Unidas, 12.551 | São Paulo - SP 
Acesso pelo elevador azul.


***EVENTO EXCLUSIVO PARA CONVIDADOS 

fonte: Divulgação/CASACOR

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Oscar Niemeyer



Oscar Niemeyer teve uma vida muito bonita.
Foi um dos maiores artistas do seu tempo e um homem maior que a sua arte. - Chico Buarque


O arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer, morreu às 21h55 desta quarta-feira (5) aos 104 anos, foi um dos profissionais mais premiados e influentes do mundo.

Seu trabalho, sempre cheio de curvas em concreto que tornavam seu estilo inconfundível, marcou a paisagem urbana do Brasil e de outros países.

Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares Filho nasceu no bairro das Laranjeiras, na Zona Sul do Rio de Janeiro, no dia 15 de dezembro de 1907. Apaixonado por futebol e pelo Fluminense, Niemeyer chegou a jogar no time juvenil do clube de Laranjeiras.





Casou-se cedo. A união com Annita Baldo foi aos 21 anos, quando Niemeyer ajudava o pai na tipografia. Em 1929, entrou para a Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro, onde cinco anos depois formou-se engenheiro arquiteto.



"Gostava de desenhar e o desenho levou-me à arquitetura. Lembro-me que ficava com o dedo no ar desenhando. Minha mãe perguntava: 'o que está fazendo menino?' 'Desenhando', respondia com a maior naturalidade"

Os primeiros passos na carreira que o consagraria como um dos nomes mais influentes na arquitetura foi dado no escritório de Lúcio Costa e Carlos Leão, onde fez estágio sem remuneração.



"Resisti, não queria, como a maioria dos meus colegas, me adaptar a essa arquitetura comercial que vemos por aí. Preferi trabalhar, gratuitamente, no escritório onde esperava encontrar as respostas para minhas dúvidas de estudante de arquitetura"

Niemeyer teve a oportunidade de conhecer outro gênio da arquitetura ao ser designado por Lúcio Costa para ajudar Le Corbusier, famoso arquiteto suíço, que estava de passagem pelo Brasil, em 1936, para colaborar com o projeto do prédio do Ministério da Educação no Rio.




E ainda ao lado de Le Corbusier, projeta o prédio Obra do Berço, no bairro da Lagoa (Rio)


"Naquela época ainda caminhávamos na periferia da sua arquitetura. Tínhamos lido sua obra excepcional como sagrado catecismo, mas ainda não estávamos, como se verificou, integrados nos seus segredos e minúcias"

Em 1940 Niemeyer conhece Juscelino Kubitschek, então prefeito de Belo Horizonte, e realiza seu primeiro grande projeto, o Conjunto da Pampulha, no bairro na capital mineira, que incluía o cassino, a Casa do Baile, o clube e a igreja de São Francisco de Assis.




"Era um protesto que eu levava como arquiteto, de cobrir a igreja da Pampulha de curvas, das curvas mais variadas, essa intenção de contestar a arquitetura retilínea que então predominava"

Boa parte das obras mais importantes do arquiteto serviu a projetos ideológicos e políticos. Niemeyer projetou o parque Ibirapuera e o Edifício Copan, ambos em São Paulo. Em 1956, com JK na presidência do Brasil, organizou o plano piloto de Brasília e foi responsável pela construção da nova capital federal.

Com traços ousados, o filho do modernismo criou o Itamaraty, o Alvorada, o Congresso, a Catedral, a Praça dos Três Poderes, entre outros prédios e monumentos.



















"Nós começávamos a imaginar quando é que Brasília iria surgir. De repente, aparecia uma mancha azul no horizonte. Ela ia crescendo. Depois apareciam os contorno e começávamos a dizer: ali é o Teatro, lá é o congresso, a torre.
Brasília surgia como num passe de mágica, um milagre"

A participação de Niemeyer na vida política do Brasil fez dele um intelectual comprometido com seu tempo. Comunista histórico - se filiou ao Partido Comunista Brasileiro (PCB) em 1945 -, o arquiteto teve seu escritório no Rio invadido no golpe de 1964. Depois de passar por interrogatório na polícia, decidiu morar fora do Brasil.

Conviveu com Jean-Paul Sartre em Paris, passou seis meses em Israel, elaborou o projeto da Universidade Constantine, na Argélia, na África, e nesse mesmo período, desenvolveu a sede da ONU em Nova York, nos Estados Unidos.




Niemeyer passou a ganhar projeção internacional e nos anos 70 abriu seu escritório na Champs Elysées, em Paris. O arquiteto também projetou a sede da editora Mondadori, em Milão, na Itália.

Foi nesse período que ele influenciou a arquitetura mundial. As amizades iam do pintor Cândido Portinari ao maestro Villa-Lobos, passando por Fidel Castro e Chico Buarque.


Obras em curvas

Niemeyer sempre defendeu o uso do monumental na arquitetura, com certa obsessão pela leveza em contradição com o concreto. A forma é a curva, com que substituiu a tradição milenar de ângulos e retas.





“Não é o ângulo reto que me atrai. Nem a linha reta, dura, inflexível criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual. A curva que encontro nas montanhas do meu país. No curso sinuoso dos sentidos, nas nuvens do céu. No corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo”


Adeus mestre amigo!!! Sua criaçao será para sempre a marca da nossa inspiração! Continue seu caminho, com a marca de suas linhas...