quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Prêmio “O Melhor da Arquitetura 2013” divulga os vencedores

      A revista Arquitetura & Construção, da Editora Abril, divulgou no dia 29 de outubro, em São Paulo, os vencedores do prêmio O Melhor da Arquitetura 2013. Criado em 2008, o prêmio objetiva destacar a criatividade dos profissionais, os projetos inovadores, as soluções sustentáveis e os aspectos técnicos e estéticos. Este ano, a revista produziu uma série de reportagens sobre o tema "com o intuito de envolver arquitetos e de levantar uma bandeira para a importância da relação com as pessoas nos projetos de arquitetura e urbanismo”, destaca a redatora-chefe da revista, Marianne Wenzel.
A premiação recebeu a inscrição de 477 projetos. Destes, foram  selecionados 59 finalistas que concorreram ao prêmio. Após essa etapa, entre 22 de agosto e 13 de setembro, ocorreu a votação pela internet.
         Na cerimônia de entrega dos prêmios, realizada no Sesc Pompéia, em São Paulo, os autores dos melhores trabalhos das 18 categorias foram homenageados e receberam o troféu O Melhor da Arquitetura 2013, além de terem os projetos publicados na revista Arquitetura & Construção que circula em novembro.

INTERVENÇÃO URBANA
Praça São Vicente de Paula
Estudio Arquitetura
Para melhorar os 1 500 m2 da praça na cidade mineira de Dom Silvério, os arquitetos integraram os níveis do terreno, criaram uma concha acústica para shows e investiram em materiais baratos e duráveis, como o pavimento de concreto intertravado. Os platôs gramados escalonados aumentaram a área verde e a permeabilidade do terreno triangular.

RETROFIT
Museu de Arte Contemporânea da USP
Borelli & Merigo Arquitetura Urbanismo
Antes uma repartição pública, o edifício paulista dos anos 50, com área de 36 mil m2, tornou-se um museu de arte contemporânea. Para isso, foi preciso restaurar a estrutura original e retirar divisórias a fim de recuperar a potência da planta livre, além de investir na automação para controle de umidade, iluminação e temperatura das salas.

ESCOLAS E UNIVERSIDADES
ANEXO II da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre
N2A Arquitetura e Design
A proposta vencedora do concurso público para este edifício encaixa diferentes volumes a uma estrutura modular, que organiza e articula as diversas funções do prédio – desde as
destinadas ao público externo até aquelas específicas da universidade. O bloco principal reserva as salas de aula e os laboratórios.

EDIFÍCIOS CULTURAIS
Praça das Artes
Marcos Cartum + Brasil Arquitetura
Este centro dedicado a atividades de música e dança, em São Paulo, tem seus espaços permeados por um caráter público de convivência. Além da praça que interliga três ruas da cidade, o edifício principal em concreto aparente libera o térreo aos pedestres. Os prédios novos dialogam com outros históricos reformados.

ESPAÇOS DE LAZER
Pavilhão de Eventos Iporanga
Mauro Munhoz Arquitetura
Trata-se de um espaço de convivência onde são realizadas as festividades dos moradores do condomínio. Sem obstáculos visuais, a grande cobertura de madeira funciona como uma praça coberta, que favorece a socialização. O material escolhido – madeira laminada colada – oferece plasticidade ao desenho, pois permite executar vigas curvas e vencer vãos maiores.

EDIFÍCIOS COMERCIAIS OU DE ESCRITÓRIOS-ATÉ 4 PAVIMENTOS OU 500 M²
Mesa III
Felippe Crescenti Arquitetura
Inspirada em galpões industriais, esta rotisseria de 150 m2 em São Paulo combina estruturas metálicas com blocos de concreto. Na área de exposição de produtos, o pé-direito duplo criou um ambiente bem iluminado e arejado. A lateral, foi trabalhada com pequenos vitrôs, volta-se para o jardim externo coberto.

EDIFÍCIOS COMERCIAIS OU DE ESCRITÓRIOS - ACIMA DE 4 PAVIMENTOS OU 500 M²
João Moura
Nitsche Arquitetos
Voltada para uma movimentada avenida paulistana, a fachada deste edifício de escritórios sobressai graças ao grande painel com aberturas e anteparos coloridos. A estrutura do prédio é de concreto com pilares periféricos e vigas protendidas, que garantem aos andares flexibilidade de uso.

ESCRITÓRIOS
Rexam Beverage Can
Mareines + Patalano Arquitetura e Ricardo Behrens Arquitetura
Neste escritório no Rio de Janeiro, os arquitetos buscaram separar radicalmente os ambientes de trabalho da equipe interna daqueles destinados à recepção de clientes e fornecedores. Cada setor foi implantado num andar distinto e tem a sua recepção própria. Destaque para o espaço de convivência com múltiplas funções.

RESTAURANTES
7 Molinos JK Iguatemi
Tacoa Arquitetos
Os montantes do caixilho existente foram transformados em fitas de madeira que recortam piso, parede e forro do ambiente público deste café, em São Paulo. No forro, as fitas que se deslocam da superfície da laje formam desenhos e dão suporte às luminárias. Os arquitetos usaram placas de concreto pré-moldado como revestimento de toda a área, que soma 136 m2.

CASAS NOTURNAS
D-Edge
Muti Randolph, Marcelo Pontes e Zemel + Chalabi Arquitetos
Para aumentar a capacidade da boate paulistana de 648 m2, traçaram-se quatro pisos de pé-direito baixo. A estrutura em concreto armado permitiu grandes vãos, ideais para espaços cenográficos. Pista e lounge ocupam os dois primeiros pisos, e a cobertura deu lugar ao amplo terraço. Os volumes de madeira somem no jogo de luzes.

LOJAS E SHOWROOMS
Empório Nanak
MACh Arquitetos e Gabriel Castro
Para tornar agradável a permanência na loja de apenas 40 m2, posicionou-se uma grelha oblíqua em relação às paredes laterais. Assim, os produtos expostos ficam visíveis para quem olha de fora, mas somem conforme se avança ao interior da loja. Os expositores de madeira foram perfurados com padrões extraídos do logotipo da marca.

HABITAÇÃO SOCIAL
Jardim Edite
MMBB Arquitetos & H+ F Arquitetos
Com 25 700 m2, este projeto ocupa o lugar de uma favela situada num importante eixo financeiro de São Paulo. As verticalizações encerram 252 unidades, todas com 50 m2. Para integrá-las, a solução foi articular cada um dos prédios ao espaço público com restaurante, escola, unidade básica de saúde e creche.

CONDOMÍNIOS RESIDENCIAIS - HORIZONTAIS OU VERTICAIS
Casas AV
Corsi Hirano Arquitetos
A implantação das oito unidades no terreno de 640 m2 em Avaré, SP, configurou um pátio central coletivo, pensado para valorizar o convívio entre os moradores. Compactas, as casas foram articuladas duas a duas a partir de núcleos que abrigam as instalações e escadas. O uso de concreto armado e lajes pré-fabricadas tornou a obra mais rápida.

REFORMA DE APARTAMENTO
Apartamento Araguary
Stuchi&Leite Projetos
O objetivo era explorar melhor a área de 160 m2 e, principalmente, o pé-direito duplo deste apartamento em São Paulo. A escada em “L” deu lugar a outro modelo, que ficou articulado à estante no piso inferior, deixando-o mais espaçoso. Quarto e banheiro foram integrados, assim como cozinha e área de serviço. A obra usou estruturas metálicas e drywall.

REFORMA DE CASA
Reforma Itobi
Apiacás Arquitetos
A residência paulista dos anos 50 passou por mudanças que incluíram a derrubada da edícula (para conseguir uma área livre maior) e de algumas paredes do piso térreo, a fim de melhor integrá-lo ao jardim e à piscina. Tijolos da demolição foram aproveitados nas novas paredes de concreto ciclópico.

CASA DE PRAIA
Residência Laranjeiras
Arquitetura Gui Mattos
Este projeto de 900 m2 celebra o contexto em que está inserido, em Paraty. Seu piso térreo é aberto à paisagem, com amplos painéis de vidro, e o superior tem layout inspirado na morada dos pescadores. Além de reaproveitar a madeira da construção derrubada no local, a construção usou também madeira de demolição.

CASA DE CAMPO
Caixa na Serra
Luciano Alvares e Tatiana Terry
A proposta era moldar uma caixa afastada do chão e que valorizasse o endereço: a 1000 m de altitude e em meio uma cadeia montanhosa da serra fluminense. Assim, os arquitetos elegeram madeira para a estrutura, apoiaram a casa de 161 m2 sobre pilotis e fecharam uma lateral inteira com vidro, emoldurando a paisagem.

CASA URBANA 
Residência FG
Reinach Mendonça Arquitetos Associados
Segundo os arquitetos, a ideia do projeto era erguer uma casa de campo em  plena cidade de Araraquara. Quem chega à residência no interior paulista, com 1099 m2 de área, depara-se com uma fachada marcante, com destaque para o volume metálico do escritório, que se projeta em balanço sobre o jardim. O térreo reserva as áreas de convivência e dois lances de rampas conduzem ao piso superior, onde estão os ambientes íntimos.


Veja algumas imagens abaixo, a  galeria completa das imagens encontra-se no link:  http://abr-casa.com.br/premio/sala-imprensa.shtml








ANTES
DEPOIS


Por: Emanuella Minari

Nenhum comentário:

Postar um comentário