sexta-feira, 1 de novembro de 2013

O IAB E O SESC CONVIDAM PARA O ENCONTRO INTERNACIONAL CIDADE: MODOS DE FAZER, MODOS DE USAR DA X BIENAL DE ARQUITETURA DE SÃO PAULO

     De 6 a 9 de novembro, o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB-SP) e o SESC São Paulo, apresentam o Encontro Internacional Cidade: Modos de Fazer, Modos de Usar?, que acontece na X Bienal de Arquitetura de São Paulo. Sediado no SESC Pompeia, o evento  gratuito e aberto ao público segue a proposta desta edição da Bienal, que é despertar na população um engajamento consciente nos processos de construção e fruição das cidades, apontando para a responsabilidade coletiva.
      Durante quatro dias consecutivos, arquitetos, urbanistas e pensadores discutirão casos emblemáticos e contemporâneos sobre os usos, o crescimento e o envolvimento administrativo em grandes cidades. Também falarão sobre os impasses e as soluções urbanas atuais por meio de projetos, obras e experiências importantes das cenas urbanas do Brasil e do mundo. Assim, a partir do diálogo entre seus convidados, o Encontro Internacional pretende apontar desafios e vislumbrar possibilidades atuais.
     Entre os convidados internacionais, estão Chip Lord, fundador e membro do coletivo Ant Farm (EUA) que fará a palestra de abertura, no dia 6; Michael Wolf, fotógrafo especializado em imagens da vida nas cidades contemporâneas (Alemanha); John Logan, professor de sociologia da Universidade de Brown e diretor da iniciativa S4 (EUA); Kyong Park, fundador do Centro Internacional de Ecologia Urbana, em Detroit (EUA).  
     Também marcam presença os coletivos Supersudaca (América Latina), que foca seu trabalho em projetos relacionados à percepção pública de espaços coletivos; CRIT - Collective Research Initiatives Trust (Mumbai/Índia), envolvido em pesquisas de intervenções em espaços urbanos, principalmente nas áreas de habitação, periferias e urbanismo emergente; e Partizaning (Moscou/Rússia), que usa estratégias de intersecção entre a street art e o ativismo social.

PROGRAMAÇÃO

6 de novembro (quarta-feira)
19h - Sociedade de consumo em combustão
Palestra de abertura com Chip Lord  (Ant Farm - EUA)

Uma discussão sobre a convergência entre arte e arquitetura e o legado atual das vanguardas contraculturais dos anos 1960 e 1970. Chip Lord é um dos fundadores do coletivo norte-americano Ant Farm, baseado em Houston e em San Francisco. A conferência será precedida pela exibição do vídeo Media Burn (1975), em que um carro de corrida se choca contra uma pilha de televisores, incendiando-a. A discussão questiona o lugar da sociedade de consumo na arte e na cidade.

20h - Diálogo
Chip Lord conversa com os curadores da Bienal, Ligia Nobre e Guilherme Wisnik

7 de novembro (quinta-feira)
19h - Usos e desusos da cidade
Com Kyong Park (EUA), Marcos Rosa (RJ/SP/BERLIM) e Carlos Teixeira (Vazio S/A BH) - Mediação da curadora Ana Luiza Nobre

A mesa focará experiências cruzadas entre a produção de vazios urbanos nas cidades pós-industriais, as práticas informais de urbanismo ligados a ações cotidianas e a conexão entre mobilidade e espaços públicos (ou a ausência deles) em cidades como Detroit e Los Angeles.

8 de novembro (sexta-feira)
19h - Cidade como máquina do crescimento Com John Logan (EUA), Michael Wolf (EUA), Mariana Fix (SP) e Paula Santoro (SP) - Mediação do curador Guilherme Wisnik

A discussão é baseada no conceito de ?cidade como máquina do crescimento?, criado por Harvey Molotch e John Logan. Analisa as políticas urbanas que vigoram sob o neoliberalismo, e que transformaram a antiga regulação do crescimento urbano pelo planejamento moderno em liberação de restrições para o mercado, fazendo das cidades organismos voltados à pura obtenção de lucro.

9 de novembro (sábado)
14h - Espaço público e novas ferramentas de ação Com os coletivos Supersudaca (América Latina, Partizaning (Rússia) e CRIT (Mumbai)  ? Mediação da curadora Ligia Nobre

Debate sobre conceitos de espaço público e novas ferramentas de ação, comunicação e apropriação em cidades como Moscou, Mumbai e outras tantas na América Latina.

16h - A arquitetura de novos usos na cidade Com Raimundo Bonfim (Brasil), Fernando Mello Franco (Secretário de Desenvolvimento Urbano da cidade de São Paulo) e Paula Miraglia (SP) ?  
Mediação dos curadores Ligia Nobre e Guilherme Wisnik

Debate sobre a relação entre as políticas públicas para as cidades, com foco em São Paulo, colocando em diálogo diversos atores: governo, movimentos sociais e o terceiro setor. Estão em pauta temas como segurança, habitação, espaços públicos e infraestutura urbana.

BIOGRAFIAS DOS PARTICIPANTES

Chip Lord
É fundador e membro do Ant Farm [1968-1978], e produziu os trabalhos de arte vídeo, Media Burn e The Eternal Frame. Os gêneros de sua obra são o documentário e o experimental, com realização de mostras em festivais de cinema e vídeo e em museus. Em 2005, foi realizada uma retrospectiva do seu trabalho pelo Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía , em Madrid, Espanha. Seu projeto de filme Map, que inclui fotografias de San Francisco, foi exibido no Rena Bransten Gallery, em 2003, e na exposição AUTO.SUEÑO Y MATERIA em Gijon e Madrid, Espanha, em 2009. Em parceria com Bruce Tomb, Lord executou uma comissão temporária de arte pública para a cidade de San Jose, Olá , San Jose, em 2008. Em 2010 , completou a obra de arte de vídeo público para o Terminal Bradley remodelada no aeroporto LAX intitulado De e para LAX .

John Logan
Professor de sociologia e diretor da iniciativa S4, Logan ingressou na Universidade Brown em 2004, após 24 anos lecionando na Universidade de Albany, onde atuou como presidente do Departamento de Sociologia, diretor do Lewis Mumford Center e diretor do Centro de Análises Sociais e Demográficas. É coautor, juntamente com Harvey Molotch, de Fortunas urbanas: A Economia Política da Place. Seu mais recente livro editado, Urban China in Transition, foi publicado pela Blackwell em 2007.

Kyong Park
É fundador do Centro Internacional de Ecologia Urbana em Detroit, voltado a organizações comunitárias e universidades (1998-2001).  
Percorreu várias cidades da Europa, realizando uma prática nômade de investigação urbana. Os resultados desta prática foram: The Slide e BAR / GDR / FRG, um vídeo de três canais em três cidades ideológicas dentro de Dresden, ambos projetos feitos na Alemanha (2003). Foi co-curador e artista para Shrinking Cities em Berlim (2002-2004), e diretor-fundador da Fundação Central para futuras cidades em Rotterdam, na Holanda (2005). Atualmente trabalha no projeto Novas Rotas da Seda, uma série de expedições entre Istambul e Tóquio, com foco nas condições relacionais de cidades asiáticas dentro da geografia da globalização.

Michael Wolf
O fotógrafo alemão é um dos maiores nomes da fotografia com foco na vida nas mega cidades contemporâneas. Muitos de seus projetos documentam a arquitetura e a cultura vernacular das metrópoles, e seus trabalhos têm sido exibidos em diversos países, como Itália, Finlândia, China, Estados Unidos e Alemanha. Michael Wolf possui, também, coleções permanentes em locais como o Metropolitan Museum of Art e o Brooklyn Museum (Nova York) e o Museu Alemão de Arquitetura
(Frankfurt) . É autor de mais de 13 livros de fotografia, entre eles bottrop Ebel 1976 (2012), Tokyo Compression Three (2012), Architecture of density (2012) e Hong Kong Corner Houses (2011).

Mariana Fix
É professora do Instituto de Economia da UNICAMP e autora de Parceiros de exclusão (2001) e São Paulo Cidade Global (2007). Tem inúmeras publicações sobre o direito das políticas de cidade, de planejamento e de habitação, favelas e cortiços em São Paulo, os investimentos financeiros em mercados de terras, promoção imobiliária e construtoras, gentrificação do centro da cidade, globalização e parcerias público-privadas. Também foi vencedora do prêmio 2012 de melhor tese de doutorado em Economia, concedido pela CAPES, instituto de coordenação para o desenvolvimento de profissionais de ensino superior.

Paula Miraglia
É mestre e doutoranda em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo. Publicou artigos sobre temas relacionados à violência e à segurança pública em revistas e sites especializados, bem como capítulos de coletâneas. É diretora executiva do ILANUD (Instituto Latino Americano das Nações Unidas para a prevenção do delito e tratamento do delinquente).

Paula Freire Santoro
Arquiteta urbanista, tem doutorado em Habitat pela FAU/USP (2008-2012), parte desenvolvido na Universidade Politécnica da Cataluña (ETSAB-UPC) em Barcelona, Espanha (2010). Cursou especialização em Política de Terras na América Latina pelo Lincoln Institute of Land Policy, no Panamá (2007). Atualmente é assistente técnica do Ministério Público do Estado de São Paulo nos temas Habitação, Urbanismo e Meio Ambiente, é professora de Legislação Urbanística e TFG na Escola da Cidade desde 2009. Foi pesquisadora do Instituto Pólis (2001-2011), do Instituto Socioambiental - ISA
(2007-2008) e do Laboratório de Urbanismo da Metrópole - LUME FAU/USP (2001).

Supersudaca (América Latina)
Coletivo internacional que foca seu trabalho na América Latina com projetos relacionados à percepção pública de espaços coletivos. Possui trabalhos em andamento, como o projeto de Habitação Social Experimental em Lima e a pesquisa sobre o impacto do turismo no desenvolvimento urbano do Caribe. O Supersudaca ganhou seu primeiro prêmio no concurso Vanguard de habitação social, com o projeto de 170 habitações em Ceuta.

CRIT - Collective Research Initiatives Trust (Mumbai/Índia) 
Coletivo formado desde 2003, o grupo está envolvido em pesquisas de intervenções em espaços urbanos, principalmente nas áreas de habitação, periferias e urbanismo emergente. Os métodos utilizados pelo CRIT são multidisciplinares e desenvolvem uma orientação tática que está profundamente ligada ao dia a dia do local estudado. Como projetos recentes, o grupo desenvolve o Slum Settlement Studies (2011), que visa o entendimento dos aspectos tipológicos de assentamentos em Mumbai, fornecendo apoio para que várias comunidades possam desenvolver suas moradias e estruturas sociais.

Partizaning (Moscou/Rússia)
O nome vem de um termo que significa uma nova estratégia de intersecção da street art e o ativismo social. O grupo procura demonstrar, numa tradição revolucionária, como as mensagens não autorizadas e as ações não solicitadas podem se tornar elementos essenciais de uma transformação cultural. Seu objetivo é refletir, e promover a ideia do ?faça você mesmo?, para reestruturar e melhorar o ambiente urbano e comunidades.


Guilherme Wisnik
Arquiteto, crítico e historiador da arquitetura, baseado em São Paulo.  
Membro da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) e do Latin American Studies Association (LASA). Professor na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, colaborador do jornal Folha de S. Paulo, colunista da revista Bamboo, roteirista do longa-metragem O risco ? Lucio Costa e a utopia moderna. Principais
exposições: Margem (Itaú Cultural, Arte Pública, 2008-10) e Paulo Mendes da Rocha: a natureza como projeto (Museu Vale, 2012).  
Principais publicações: Lucio Costa (Cosac Naify, 2001), Estado
crítico: à deriva nas cidades (Publifolha, 2009), Oscar Niemeyer (Folha de S. Paulo, 2011) e Paulo Mendes da Rocha (Azougue, 2012).

Ana Luiza Nobre
Arquiteta, crítica e historiadora da arquitetura, baseada no Rio de  
Janeiro. Membro do Comitê Internacional de Críticos de Arquitetura  
(CICA), professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da PUC-Rio e  
coordenadora do programa de pós-graduação em Arquitetura da mesma  
universidade. Ex-diretora da Casa de Lucio Costa e coordenadora  
editorial da coleção Cidades, da editora WMF Martins Fontes.  
Principais exposições: O Rio jamais visto (CCBB, 1998) e Rio  
cidade-paisagem (Biblioteca Nacional, 2012). Principais publicações:  
Arquitetura moderna no Rio de Janeiro (Pini, 1991), Um modo de ser  
moderno: Lucio Costa e a crítica contemporânea (Cosac Naify, 2004), e  
Coletivo: arquitetura paulista contemporânea (Cosac Naify, 2006).

Ligia Nobre
Mestre pela Architectural Association School of Architecture (AA,  
Londres). Co-dirigiu a plataforma Exo Experimental, em São Paulo.  
Recebeu bolsa-residência na Akademie Schloss Solitude de Stuttgart  
(Alemanha). Assistente de pesquisa e de ensino dos arquitetos Jacques  
Herzog e Pierre de Meuron no Studio Basel - Contemporary City  
Institute - ETH (Basileia, Suíça). Consultora do Ministério da Cultura  
no Programa Mais Cultura- Espaços e Bibliotecas. Co-diretora da  
plataforma SP Lab/Studio-X GSAAP Columbia University, e curadora local  
em São Paulo para o projeto Audi Urban Future Inititative- Award 2012.

SERVIÇO
Encontro Internacional com o tema Cidade: Modos de Fazer, Modos de Usar
Quando: de 6 a 9 de novembro, de quarta-feira a sábado.
Local: Sesc Pompeia - Rua Clélia, 93 ? Pompeia (Estação Água Branca da  
CPTM). Acesso gratuito.
Horários: consultar a programação.
Programação completa da X Bienal de Arquitetura:  

Por: Emanuella Minari



Nenhum comentário:

Postar um comentário