sexta-feira, 26 de junho de 2015

Reforma: Norma exige laudo técnico para execução

Segundo a arquiteta Renata Marques, que conta com vasta experiência na área técnica, essa exigência veio trazer mais segurança para todos os envolvidos área da construção civil. “Essa regra veio regularizar um aspecto muito importante do segmento de arquitetura e engenharia. A reforma mal projetada pode interferir em características estruturais e oferecer danos para a edificação, incluindo riscos de desabamento, podendo gerar vítimas fatais”, explica.
Na história recente existem registros de diversos casos de obras mal executadas que resultaram em acidentes e mortes, sendo que um dos desabamentos com maior repercussão foi o do Prédio Liberdade, ocorrido em janeiro de 2012 no Rio de Janeiro. “A retirada de uma parede, por exemplo, pode ocasionar sérios prejuízos à edificação, se ela estrutural. Portanto, é fundamental que o contratante certifique-se de que os arquitetos e engenheiros que acompanham a execução da obra têm registros válidos junto às respectivas entidades de classe, CAU (Conselho de Arquitetura e Urbanismo) e CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia)”, enfatiza Renata.
Além da necessidade de laudo técnico, a ABNT NBR 16.280 prevê outros procedimentos, como:
Exigência de apresentação ao síndico, antes do início da obra, do plano de reforma e documentação pertinente;
Atendimento das normas de segurança durante o andamento da obra;
A entrada de materiais e pessoas contratadas para a execução da obra deverá ser autorizada, ou não, pelo síndico;
A documentação oriunda de qualquer tipo de reforma deverá ser arquivada pelo síndico;
Obras que não representem risco à segurança, como pintura, estão isentas da apresentação de laudo técnico, mas deverão ser documentadas e seguir as regras internas do condomínio;
O síndico, condômino ou proprietário poderão ser responsabilizados civil, administrativa e, até mesmo, criminalmente por danos eventualmente decorrentes da não observância desta norma.

Fonte: www.renatamarques.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário